Treino

Miguel Carneiro no Iron Man | Triatlo levado aos limites!

11,4km de natação + 540km de ciclismo + 126,6km de corrida + 22km de ciclismo

 

O objetivo desta prova era conseguir superar-me em qualquer um dos segmentos, porque até ao momento nunca tinha feito qualquer umas das distâncias individualmente e, desde o tiro de partida nunca houve momento algum que eu conseguisse dizer “eu já fiz esta distância”.

miguel_carneiro_equipa_iron_man_alemanha

As previsões do tempo eram de chuvas e vento forte, trovoadas e queda de pedras de granizo. O despertador tocou às 4 da manha para tomar o pequeno-almoço. Preparei as últimas coisas e por volta das 6:10 desloquei-me para a piscina para meter organizar o material e começar a vestir o fato para além de acertar tudo com a equipa.

miguel_carneiro_natacao


1. Natação


Às 6:50 todos os atletas tinham que estar na água e aproveitei para fazer algumas piscinas para aquecer e ambientar a temperatura. Os 11,4km eram feitos em 228 voltas numa piscina descoberta de 50m.

A partida era feita no lado onde se encontravam os júris que faziam a contagem e no lado oposto encontrava-se a equipa de apoio.

A qualquer momento eu podia fazer uma paragem e receber apoio de líquidos e sólidos deles.

Sentia-me bastante bem, motivado e confiante e, acima de tudo, bastante relaxado quando se deu a partida.

Sempre com uma natação descontraída e relaxada pois, sabia o que tinha pela frente nos próximos dias. Decidi fazer a primeira paragem perto dos 4000m onde tomei um gel e isotónica. Tinha a segunda paragem programada para os 8000m para tomar outro gel e isotónica.

Nesse momento aproveitei para por um pouco de tape no pescoço que estava ferido devido a fricção do fato e depois segui para os últimos 3,4km sempre num ritmo confortável.

miguel_carneiro_bicicleta

 


2. Ciclismo


Terminei a natação e desloquei-me aos balneários para fazer a transição e vestir o equipamento de ciclismo.

Parti para as 67 voltas de cerca de 8km, no total 540km de ciclismo, confiante, embora na primeira volta tenha percebido que a distância não seria única dificuldade…pensava que “em 67 voltas não me podem por nenhuma subida” a verdade é que não era uma, nem duas, nem três… e tinha que lá passar 67 vezes!

O vento era forte e inconstante soprando de todos os lados, e logo ai percebi que teria outras dificuldades.

Mas…os obstáculos são o que nos tornam mais fortes e nos fazem aprender. Com o meu mental coach preparei-me para qualquer adversidade que pudesse aparecer.

miguelcarneiro_myp

Das primeiras vezes que passei pelo speaker ouvi:

“O Miguel Carneiro a representar a Marinha Portuguesa é o primeiro atleta Português a terminar um triplo homem de ferro”, e estava ainda no ciclismo com dois longos dias de prova pela frente.

 

Tinha um suporte para a bicicleta onde entrava um copo e sempre que passava pela tenda de apoio fazíamos a troca de copos, e este copo era cheio de comida e servia para me alimentar enquanto pedalava sem ter que ficar parado na tenda.

Este método resultou bastante nos primeiros 100km depois o lindo sol foi trocado for fortes chuvas. A chuvas eram geladas e com os ventos e velocidade do bicicleta ficava difícil pedalar sem gelar, chegou mesmo por vezes a cair granizo.

O método do copo deixou de funcionar porque, rapidamente o copo ficava cheio de água e a comida virava “sopa” e tivemos que optar por paragens no local de apoio, que teriam de ser breves porque devido ao frio, o corpo arrefecia rapidamente e se isso acontecesse implicava a mudança para equipamento seco.

A minha equipa estava constantemente a secar a roupa na máquina e eu constantemente a ficar molhado. O tempo estava um pouco incerto, ora chovia a potes hora fazia sol mas o vento durante todo o trajeto foi muito duro!

Pouco tempo depois, comecei a sentir uma pequena quebra, especialmente um pouco de perda de força e energia durante as subidas. Expliquei à minha equipa que algo não estava bem porque eu estava bem treinado para conseguir andar naqueles registos sem quebras e optei para parar e recuperar o pequeno défice calórico e de hidratos que tinha.

miguel_carneiro_pre

Numa das paragens do ciclismo onde chovia bastante, aproveitei para me alimentar. O tempo que fiquei parado foi o suficiente para o meu corpo gelar: decidimos secar e trocar para uma roupa seca mas, ao mesmo tempo começou a chover torrencialmente e cair granizo.

Optámos por esperar um pouco para o tempo melhorar. Foi então que me deitei no chão por cima de uns plásticos e a minha equipa cobriu-me com alguns casacos e dormi 30 minutos. Quando acordei a chuva ainda se mantinha mas estava mais calma, e eu continuei a pedalar.

Quase antes do dia nascer comecei a sentir a fadiga de um dia e noite a pedalar. Os olhos começaram a fechar e já deixava as rajadas de vento desviarem a bicicleta para a outra faixa. Foi então que decidi fazer mais uma paragem para descansar, e 30 minutos depois estava como novo.

miguel_carneiro_corrida_sol

Quando estava praticamente no fim do ciclismo e estava completamente gelado, vesti roupa quente para as últimas quatro voltas, colei junto ao peito e às costas, jornais para manter quente, mas fiz uma volta completa e não consegui parar de bater o dente e tremer.

Por mais que pedalasse o corpo já tinha arrefecido tanto que não estava fácil de recuperar e foi quando fui tomar um duche quente e ver se recuperava alguma temperatura.

Fui a correr aos chuveiros onde fiquei durante alguns minutos. Comecei a secar o corpo e, entretanto o Luís chega com roupa seca para eu vestir: quando me tocou no corpo disse que eu continuava gelado, mas eu já me sentia bem e pronto para terminar as três voltas que me faltavam. Fiz-me à estrada e terminei o ciclismo com pouco mais de um dia de prova.

Já só faltavam três maratonas, 126,6km em 96 voltas de sensivelmente 1300m.

A parte positiva do ciclismo é que era numa zona urbanizada e o vento não se fazia sentir muito e a chuva já não era tão intensa como tinha sido durante as longas horas do ciclismo. A parte negativa foi que até então estive quase cerca de 30 horas com os pés molhados. Tinha os pés completamente enrugados….logo não estavam no melhor estado para quem tinha que correr 126,6km.

iron_man_miguel_corrida_lisboa


3. Corrida


A corrida era o meu maior receio neste desafio devido a fascite plantar (lesão no calcanhar e planta do pé) que me acompanhou durante toda a preparação e que me condicionou muito os treinos, e agora parecia ter uma agravante. Durante a toda a corrida doeu-me a parte frontal dos pés!

Durante a corrida, a minha equipa dava-me a comida sempre fracionada em copos, bebidas. Sempre que ingeria alimentos fazia-o enquanto caminhava e depois de terminar voltava novamente a correr.

Chegou a uma altura em que sentia uma grande dificuldade em passar da caminhada a corrida: sentia que as pernas já estavam fatigadas de tantas horas de pé e a correr e então decidi fazer uma paragem de 40min para descansar e dormir.

Segui com a equipa toda para a sala de aula e deitamo-nos colchões de ginástica para descansar. Meti o despertador para tocar 40min depois e quando acordei segui para a corrida. Na altura trovejava e chovia bastante e estava prestes a terminar a segunda maratona mas, ja sentia o meu corpo fresco e solto para correr.

Pouco depois, a equipa voltou aos postos e o Luís veio correr comigo acabando por fazer quase duas maratonas durante os 126,6km. Uma ajuda importantíssima!

O resto da corrida correu bastante bem e quanto mais perto do final, mais energia tínhamos, cada vez que passávamos no tapete e o chip apitava íamos conferir o numero de voltas ao ecrã e era doloroso ver baixar apenas um dígito.

No final, praticamente todas as voltas fazíamos contas aos quílometros que faltavam e existia vezes que parecia que o número da volta não alterava.

miguel_carneiro_bandeira_portuguesa_ironman

À semelhança do ano passado, no campeonato do mundo de duplo homem de ferro a última volta era feita no sentido inverso levando a equipa e a bandeira connosco, de maneira a cruzar e cumprimentar todos os atletas que ainda estavam em prova.

Depois de mais de 50 horas com o símbolo nacional num pequeno quadrado no dorsal foi altura de poder levar uma bandeira real às costas durante os últimos 1300m, é sempre um orgulho enorme.

Antes do grande momento de passar por baixo do pórtico da chegada, decidi fazer um direto para a minha página do Facebook de maneira a partilhar aquele momento com todos aqueles que me apoiaram, me motivaram e acreditaram tanto em mim durante toda a fase de preparação e o desafio, acabando por passar aquela meta com a minha equipa e com todos os que estavam do outro lado a apoiar.

Depois de passar a meta, respirar fundo, descontrair e disfrutar daquele momento, foi altura de pegar novamente na bicicleta e fazer mais 22km, esta distância somada ao total da prova iria dar precisamente 700km.

miguel_equipa

O objectivo era homenagear a Marinha Portuguesa pelos seus 700 anos de existência, destes 700 alguns foram vividos pelo meu pai, por mim e mais recentemente pelo meu irmão. Foi na Marinha que dei as minhas primeiras braçadas inda em tenra idade e onde mais tarde me iniciei no Triatlo, e que hoje em dia graças a todas as infraestruturas e apoio ao desporto consigo atingir os meus objetivos.


NOVIDADE

Agora também estamos no Whatsapp. Com conteúdo exclusivo! Para uma motivação extra 🙂 Subscreve já, clicando aqui!




Bernardo Lourenco

Bernardo Lourenco

Escritor

Apaixonado por content marketing e por futebol. Criar conteúdo com elevada qualidade e que faça os leitores querer voltar ao blog todos os dias é o meu maior objectivo. É o que me guia todos dias. Conseguir criar uma experiência imersiva e duradoura com os leitores seria como marcar um golo da final de uma competição europeia!


Saldos de Natal | Até 60% (já no preço) + 20% extra! | Código: NATAL20 Não deixes escapar! Corre!